"Ela é linda quando está com raiva"

Fonte: Think Olga
Ela, eu e você somos. Dei-me a liberdade de usar o título de um documentário (disponível no Netflix) para dar nome a este post porque se formos muito dóceis os direitos conquistados pelas mulheres a base de muita luta são tomados.

Minha pretensão não era falar sobre este assunto, mas vendo a repercussão do caso da adolescente que sofreu um estupro coletivo no Rio esta semana não vi como não deixar uma coisinha ou outra por aqui.
Foi um caso horrível, e com a voz amplificada que a internet e as redes sociais hoje têm pudemos ver como a sociedade pode ser grande e se colocar contra tamanha brutalidade contra esta garota e contra todas nós, que em maior ou em menor grau acontece diariamente. Mas também como ainda estamos longe de conseguir uma sociedade igualitária, ou seja feminista por aqui.
Fonte: Think Olga
Me assusto ao ver o número de pessoas que depois de divulgarem o "perfil" da garota abusada apoiaram o discurso que ela procurou a situação, ela se expunha e por isso mereceu, e por ai vai.

Gente, nunca é culpa da vítima, e sim ela foi vítima!

Vamos tentar ver as coisas da seguinte maneira, suponha que ok, a garota tenha ido até a casa do namorado, ex, amigo, seja quem for, que tenha convidado quem ela quisesse pra fazer o que bem entendesse, não seria muito certo primeiro pelo fato da menina ter 16 anos, mas vamos passar por cima disso. Um grupo de pessoas reunidos pra fazer qualquer coisa, todas conscientes. Existem um vídeo divulgado da garota (deixo de sobreaviso que não vi vídeo algum, nem foto, nem nada nem quero ver) em que ela aparece desacordada, inconsciente com um grupo de homens a sua volta. Aqui minha gente é a hora, se ela chegou a casa do carinha acordada querendo alguma coisa (supondo esse cenário que é o que tem muita gente pintando ai), no momento em que ela está inconsciente tudo pára, não tem ninguém que eu conheça que estando inconsciente consente com qualquer coisa!

Postei na página do Lila no Facebook um vídeo falando sobre consentimento e chá, e ao invés de explica-lo vou colocar aqui porque é autoexplicativo.

Deu pra entender? A versão legendada está na página do Lila, veja aqui e aproveita pra dar um like!
Vivemos sim em uma sociedade machista, patriarcal, em menor grau do que há anos atrás, mas vivemos. Por sorte tive a oportunidade de morar, por um breve momento, em uma sociedade com um nível de igualdade entre os gêneros muito alto, em Québec, e que sonho seria se todos os lugares fossem como lá.
Infelizmente não é assim, vivemos com medo de sair sozinhas, sofrendo com abusos psicológicos, gaslighting, manterrupting, bropriating, mansplainning.

Temos que ser forte. Temos que nos unir, eu, você, ela e ele!
Feminismo é pura e simplesmente igualdade, não queremos mais. Queremos o igual. Quero poder fazer o que EU e somente eu me proponho. Quero seguir na academia? Fazer mestrado, doutorado, dar aula. Ótimo! Quero ser empreendedora. Maravilha! Quero ficar em casa, gerindo a família? Perfeito! A escolha é nossa.

Não podemos deixar a guarda baixar.

O filme que citei lá em cima é este aqui:


Bisous
T.

Share this:

Conta pra mim o que você achou

0 comentários:

Postar um comentário