Sobre a dificuldade de comunicação

Hello, Bonjour! 
Essa é a primeira coisa que você escuta ao entrar no aeroporto de Toronto. Tá ali na entrada do país, o Canadá possui duas línguas oficiais, o inglês e o francês. A maior parte do país é anglófona, e a grande parte da população francófona vive na província de Quebec, onde eu vim parar. 
Olha, no inglês eu consigo me virar, mas o francês era um ser misterioso pra mim. Acho a língua linda e phyna, mas só sabia falar bonjour e bisous. 
Quando soube da possibilidade do estágio aqui não me atinei em começar a fazer aulas imediatamente, primeiro porque ainda estava receosa que não desse certo, e segundo por falta de sei lá o quê! Deixei para fazer aulas de primeiros socorros uns dois, três meses antes de embarcar, com professor particular duas vezes por semana. 
Completamente insuficiente, eu sei. 
Desembarquei em terras frias, e até chegar em Quebec eu ainda acreditava que toda a população canadense fosse bilíngue, mas vi que não é bem assim e que o francês pode parecer alemão ou russo até seus ouvidos se acostumarem (o que demora).
A Província de Quebec tem um programa bem legal de Francisation, que oferece cursos de língua francesa praticamente sem custo. Eu fiz o meu no Centre Phenix, onde a ULaval tem convênio. Paguei CAD $45,00 de inscrição e cerca do mesmo valor em material pelo semestre. Existem turmas a partir do nível 0, que são oferecidas para quem não tem domínio nenhum da língua, tipo moi! São 8 horas semanais, divididos em 2 dias por semana, bem cansativo porque escolhi o período noturno, então saio das aulas as 22h e até chegar em casa são quase 23h, no inverno foi sofrido! 
As aulas têm no início do tempo cerca de 1h:30 de "atividades individuais" em que cada um fica fazendo exercícios e pode ir tirar dúvidas com a professora. Depois disso entra a parte dinâmica, com conversação e introdução da gramática organicamente. Na minha turma tinha gente de tudo quanto é canto: muitos brasileiros, vietnamitas, filipinos, mexicanos, cubanos, italianos, sauditas, bolivianos, colombianos, americanos e CANADENSES! Hahaha Sim! Aí que eu me dei conta que não, nem todo canadense é bilíngue. Essa menina era de Toronto, morando há 5 anos e meio (!!) em Quebec e não amiguinhos, não falava francês. O mesmo se aplica para o québécois, nem todos falam o inglês e sinto que toda vez que encontro algum caso desses eles ficam meio sem jeito de não saber falar. Mesmo assim rola aquela coisa meio Babel e todo mundo se entende
De início achei o francês aqui beem enrolado, e não conseguia entender porque eu assistindo filmes entendia (ou pelo menos achava que entendia) alguma coisa e aqui nada! O francês-francês é bem diferente do québécois na minha opinião (sem muito embasamento já que minhas idas para a França contabilizam o total de ZERO HAHAHA). Hoje já consegui ligar meu interruptor de decodificação pelo menos na metade, sabe como? Quando você começa a captar as conversas por palavras chave? Então, tô nessa! 
Vir pra Quebec sem saber nada de francês rola? Olha, na cidade de Quebec é meio chato, mas rola se você for aprendendo pelo menos um pouco no caminho. Ouvi que Montreal é bem mais tranquilo que aqui, mas infelizmente ainda não passei por lá, se você já foi me conta? E você, já passou pela experiência de cair de paraquedas em outra cultura-língua? Me conta como foi!

Bisous!

Share this:

, ,

Conta pra mim o que você achou

0 comentários:

Postar um comentário